Plataforma Continental

Plataforma Continental

 

A dimensão dos oceanos não se faz acompanhar da abundância de recursos. Existe uma grande concentração quer em quantidade quer em diversidade da fauna e da flora marinha em áreas restritas, que se classificam biologicamente ricas e portanto atrativas para as atividades marinhas. Insere-se aqui a plataforma continental.

 

A plataforma continental é a extensão da costa, onde as águas atingem no máximo 200m de profundidade que rodeia os continentes. Na direção do mar a plataforma é limitada por uma área de grande declive – Talude continental, que faz a transição para as planícies abissais.

 

A plataforma continental portuguesa é grande em comprimentos mas pequena em largura. O seu declive é pouco acentuado e a sua largura é muito variável (oscila entre 30Km-60Km). Nalguns casos é quase inexistente (Cabo de Santa Maria – 8Km), contudo noutros atinge o seu máximo (Cabo da Toca – 70Km). Nas ilhas a plataforma é também bastante pequena, pois o declive da plataforma é muito acentuado devido ao cariz vulcânico das ilhas.

A nível mundial, estas zonas representam apenas 10% da superfície dos oceanos, contudo 80% das espécies piscícolas capturadas encontram-se nestes locais. Além disso, é também mais rica em recursos do subsolo, como o petróleo. A riqueza piscícola da plataforma continental resulta das suas características, que favorecem o desenvolvimento de várias espécies animais e vegetais:

  • Tem pouca profundidade (facilitando a entrada de luz)
  • Abundância em oxigénio (devido à agitação das águas)
  • Baixo teor em sal (devido à água dos rios)
  • Água rica em nutrientes (desenvolvimento do plâncton devido à matéria orgânica transportada pelos rios)