Características das Explorações Agrícolas

Características das Explorações Agrícolas

Explorações Agrícolas                         Conjunto de terras, contíguas (juntas) ou não, utilizadas total ou parcialmente para a produção agrícola. É também uma unidade técnico-económica e que utiliza mão de obra e fatores de produção.

Deve satisfazer as quatro condições seguintes:

  • Produzir um ou vários produtos agrícolas;
  • Atingir ou ultrapassar uma certa dimensão (área, numero de animais, etc.);
  • Estar submetido a uma gestão única (um agricultor pode ter vários terrenos juntos ou várias parcelas e a esse conjunto chama-se exploração agrícola);
  • Estar localizada num local determinados e identificável.

A distribuição regional das explorações, segundo o seu número, evidencia um contraste Norte-Sul (com mais no norte e menos no sul) e reflete as desigualdades no que respeita à sua dimensão.

A tendência atual é de redução do numero de explorações (que podem ser absorvidas pelas de maior dimensão; ou pela saída de explorações de menor dimensão) e, consequentemente, do aumento da sua dimensão média.

Corresponde a minifúndios – pequenas propriedades.

Predomínio de explorações de pequena dimensão:

  • Beira Litoral
  • Entre Douro e Minho
Corresponde a latifúndios – grandes propriedades.

Alentejo tem um reduzido número de explorações agrícola, apesar da sua vasta área, pois cada uma é e grande dimensão.

Predomínio de explorações de grande dimensão:

  • Alentejo

Em Portugal, o grande número de pequenas explorações condiciona o desenvolvimento da agricultura, uma vez que limita a mecanização e a modernização dos sistemas de produção.

O problema da pequena dimensão das explorações agrava-se com a excessiva fragmentação.

Conclusão

A modernização da agricultura é então travada pela pequena dimensão das explorações e pela fragmentação das mesmas.

Notas:

Dimensão das explorações:

  • Muito pequena ≤ 1 ha
  • Pequena 1 ha – 5 ha
  • Média 5 ha – 20 ha
  • Grande 20 ha – 100 ha
  • Muito Grande ≥ 100 há

Distribuição e Estrutura da SAU…

A dimensão da SAU está associada à extensão das explorações pelo que apresenta uma distribuição regional marcada pela desigualdade, salientando-se o Alentejo com cerca de metade da SAU nacional.

Esta desigualdade deve-se essencialmente:

  • Às características do relevo
  • Ocupação do solo

O relevo aplanado (peneplanícies), a fraca densidade populacional e o povoamento concentrado permitem ao Alentejo vastas e extensas áreas cultivadas.

O relevo mais acidentado, a maior densidade populacional e o povoamento disperso, como a Madeira, a Beira litoral, e entre douro e Minho, etc. a SAU ocupada é bastante menor.

A Superfície Agrícola Utilizada engloba:

Terras aráveis                                                  Ocupada com culturas temporárias e com campos em pousio.

Culturas permanentes                                 Plantações que ocupam a terra durante um longo período.

Pastagens permanentes                             Áreas onde são semeadas espécies destinadas ao pasto do gado.        

Horta familiar                                                  Superfície ocupada com produtos hortícolas ou frutos destinados ao autoconsumo.

Nota      A composição da SAU apresenta também diferenças regionais

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s